Sobra no Tempo, falta na Alma.

Ou talvez não…

Vivemos os dias sentados na berma da estrada.

Outros passam por nós,

Cabeças baixas, Olhares apáticos,

Ou talvez não…

Vivemos os dias sentados na berma da estrada

Como crianças contamos os dias até ao Natal…

Anelando pelos dias de férias…

Ou talvez não…

Cerramos os olhos e vemos como fomos

Vivemos, chorámos, rimos…

Tresvarios,

Dos quais nos orgulhamos,

Ou talvez não…

E Agora? Porque renunciámos?

Sobra no Tempo falta na Alma…  

Finais intermináveis a caminho de casa

Dias longos desprezados.

Amigos tão perto e no tempo distantes.

Ou talvez não…

Uma hora!!! Uma esplanada,

Moledo, Esposende,Porto,

Figueira da Foz, Nazaré,

Peniche, Estoril ou Lisboa.

Setubal, Sines, Sagres, Lagos,

Portimão, Albufeira ou Olhão…

Ou talvez não…

Onde estiver, que seja…

meia-hora,

Um amigo, uma amiga ou sozinho,

Café ou sangria…

Viver…sentir…

Ou talvez não…

Mas uma coisa é certa…

Cada vez mais

Sobra no Tempo, falta na Alma.

 

Acontece não é?