Passaram 18 anos desde o tratado para o “acordo Ortográfico” da lingua Portuguesa ( penso que seja mais coerente passar a chamar de lingua Brasileira, mas já irão entender porque), e felizmente ainda hoje no nosso pais mais facilmente se corrige os novos “erros” do acordo do que o inverso.

Desde 1911 que Portugal empreendeu uma tentativa frustrada de unificar as ortografias dos Português e do “português do brasil”, sendo que relativamente a 1911 esta simplificação só foi feita por Portugal. No ano de 1940 ( Portugal ) e 1943 (brasil) não houve uma unificação total, continuado com diversas divergências relativamente ao caso Português.

Novamente em 1945 tentou-se uma aproximação, no Brasil foi mantido, após negociações com Portugal, o acordo de 1943, sendo o unico a fazer rectificações o nosso País.

Desde então e até 1990 diversas vezes se tentou alterar mas sempre sem grandes alterações exepto em 1971 onde se abuliu do PORTUGUÊS parte dos acentos gráficos que divergiam nas duas ortografias.

Presentemente e deste 1990 estamos perante uma situação que na minha opinião deveria ser devidamente ponderado e não sei não seria caso de se fazer um referendo sobre o assunto, caso seja ratificado o dito acordo.

Eu até escrevo mal, no entanto se há coisa que me orgulho é da minha lingua e da forma como é escrita.

Desde sempre todos estes tratados conduziram á simplificação do Português original, indo sempre de encontro ao Brasileiro.

Infelizmente durante anos fomos um povo que deixou de ter orgulho em ser o que era, no entanto e felizmente, nos ultimos anos temos regressado a uma paixão pelo nosso país e pelo que é nacional.

  • No passado dia 6 de Março de 2008 o Segundo Protocolo Modificativo ao Acordo Ortográfico foi ratificado pelo governo Português , actualmente caso o parlamento e  o Presidente da República o aprovem passaremos a ter o dito Acordo Ortográfico em vigor.

Bom, eu não sou nem a favor nem contra… eu na realidade, não pretendo alguma vez alterar a forma como escrevo, no entanto discordo com o facto ( e não fato, esse é para se vestir, não pensem que me vão ver de Terno).

 Por outro lado não vejo razão para a nossa lingua ( dos Paises luso-africanos, Brasil e Portugal) irem de encontro ao que se passa no Brasil, perdendo assim toda a  nossa ortogravia etimológica, pronuncia, o elo mais básico e importante, a ligação emocional e a riqueza da nossa lingua.

É tempo de fazer ver que a lingua é nossa, pode ser utilizada por outros, mas então venham ao encontro do que ainda resta do Português, não se faça o contrário.

Estou aqui a imaginar:

Um casal de noivos que trabalham no mesmo escritório teve dias antes do seu casamento a seguinte conversa por e-mail:

Ele: Bom dia, amo-te muito.

Ela: Bom dia amor, esse é um fato que quero ver no dia do nosso casamento se não faltares…

Ele a pensar : Porra, este fato que comprei na Zara, em promoção com dois anos de uso? Fui eu comprar um fato de 1500€ e ela quer que eu leve este…

Lá está ele no dia do seu casamento com o fato da Zara, coçado, com dois anos… e ela a chorar porque com aquele fato mais parece um mendigo…

Já viram bem os problemas que vamos causar?

Eu não quero apanhar choques elétricos ( quero choques eléctricos!!)

Temos Factos, fatos e não temos nem queremos ternos.

Os livros são didácticos e não didáticos

Nós tomamos Acções!!!

Se pensarem como eu assinem esta petição, não faço ideia se ainda está em vigor, mas passem a palavra.

http://www.petitiononline.com/acor1990/petition-sign.html

Para mais informações sobre o assunto consultem:

http://www.necco.ca/faq_acordo_ortografico.htm

PS . se fizerem uma mobilização contra o Acordo Ortográfico contem comigo!!!